Surface Distribuidora

Um Modelo Matemático para Cálculo de Custos em Peças Zincadas

POSTADO 07/05/2013 POR PORTAL DA GALVANOPLASTIA

Em nosso segmento ainda existem divergências na metodologia de cálculo para aferir os custos em peças zincadas, o que provoca distorções nos valores cobrados, estes muitas vezes fora da realidade de mercado, ora em demasia ora abaixo dos valores necessários para se manter a competitividade de nossos produtos a níveis internacionais e nossa capacidade de investimento.

Nosso mercado tem ainda como padrão precificar seus produtos pelas unidades R$/kg, isso advém de praticas comerciais antigas, onde o mercado permitia repasses e aumentos reais nos preço sem muita justificativa. Era uma época onde zincar uma peça agregava em seu preço os riscos de se utilizar cianetos em larga escala, bem como linhas sem exaustão, flexibilidade das leis ambientais, e ainda outras práticas industriais que hoje não são mais permitidas. Os mais experientes em nosso segmento sempre têm historias para contar dos riscos pessoais e ambientais iminentes por trabalhar em uma galvânica.

Hoje o cenário é muito diferente, nosso vocabulário diário, mudou de repasse e reajuste de preço para redução de preço, resistência a corrosão branca, de 48 horas para 240 horas, resistência a corrosão vermelha, de 120 horas para 720 ou 1000 horas, de zinco para zinco ligas, de hexa para tri, de passivado para selado, de produtos químicos básicos e poluentes, para produtos químicos ecológicos e recicláveis, de descarte da água para reuso da água,  de ETE para regeneração por troca iônica, de leito de secagem para filtro prensa.

Mesmo com todas estas mudanças de vocabulário uma expressão ainda reina nas negociações comerciais entre as empresas que aplicam tratamento superficial para terceiros, ou zincam suas peças internamente “ Preço por kg”.

Tento encontrar uma explicação lógica para ser cobrado o famoso “Preço por kg”, talvez seja o fato de se comprar em quilograma o anodo de zinco e demais produtos, talvez no passado por não existir balanças contadoras, sendo assim mais fácil pesar as peças do que contá-las, talvez por ser mais fácil usar uma unidade métrica única quando se preenchiam notas fiscais escritas a mão, enfim seja qual for o motivo hoje não mais se justifica tal prática.

Um exemplo que ilustra bem esta distorção mercadológica é a seguinte situação:

Suponhamos que seu cliente traga um caderno, sim um caderno, e você deve orçar o preço de zincá-lo.

Este caderno feito com espiral, pesa um kg e o cliente tem por preço objetivo pagar R$ 1,00 pelo seu trabalho. Você pondera pensa quantos cadernos cabem na gancheira e aceita fazer o trabalho. Quando você entrega o caderno a ele, com a camada mínima dentro do especificado, brilhante como se fosse cromado, ele lhe diz:

-Houve uma falha na solicitação que te fiz.

Você fica surpreso e já escuta de pronto uma pergunta:

-O preço por kg é R$ 1,00 ? Correto?

Cortês você acena a cabeça com um sinal positivo.

Então ele lhe entrega outro caderno e desta vez pede para zincar todas as folhas.

Saca R$ 1,00 da carteira e paga adiantado.

Claro que se trata de uma situação hipotética de cunho exagerado, que tem apenas a intenção de induzir seu raciocínio contábil de que não aplicamos zinco em quilograma de peças e sim em área de peças, mas neste exemplo acima se fosse real ainda existiria uma última pergunta:

– Quem absorveria o custo de desmontar e remontar a espiral do caderno?

Pensando em ajudar e compartilhar conhecimento o Portal da Galvanoplastia criou uma ferramenta para cálculo de custo de peças zincadas. Esta ferramenta é gratuita e disponível através do nosso site para toda comunidade.

Após analises críticas dos processos químicos e equipamentos disponíveis, apresentaremos o que em nossa visão seria a forma mais eficaz e correta de se atingir uma metodologia que permita aferir valores reais, em tempo real e possibilite a gestão destes dados para tomadas de decisão.

 Como prerrogativa neste exemplo, podemos concluir que:

1 –  Os custos variáveis devem ser apurados por área tratada e não por peso e ou volume.

2 – O Tempo de processo deve ser quantificado e balizar o rateio dos custos fixos em área/minutos.

Em uma análise específica dos componentes que envolvem o cálculo dos custos diretos do tratamento superficial zincado, podemos subdividir o processo nas seguintes etapas:

Acompanhe nossos próximos posts onde explicaremos detalhadamente como utilizar nossa ferramenta de cálculo para zincados e a metodologia utilizada para sua elaboração. Também ensinaremos como interpretar os resultados e  avaliar o cenário para tomadas de decisão em sua linha de zincagem.

2015 - Todos os direitos Reservados